Artigos

KYOJITSU TEN KAN HO

Publicado em 11 de julho de 2012 | Por : | Categoria : Artigos | Nenhum comentário

ESTRATÉGIAS DE COMBATE DISSIMULADO

I – COMPREENDER O INIMIGO

O Ninja histórico desenvolveu a habilidade de dirigir a personalidade e os pensamentos dos outros, e este conhecimento é uma das bases da habilidade lendária do Ninja para fazer sua vontade sem ações e conseguir seus propósitos sem esforço. Era capaz de fazer com que seu inimigo quisesse lutar mesmo sem estar preparado, e de que se movesse quando na realidade queria descansar. Obrigava-o a abandonar suas posições vantajosas e lhe fazia esperar quando estava ansioso para lutar. Em termos amplos, empregava a direção da consciência do outro a seu favor.

Usando seus conhecimentos dos cinco elementos, o Ninja deixava que seu inimigo exibisse seu estilo de luta ou comportamento particular, assim como as facetas mais destacadas de sua personalidade. Desta maneira, averiguava rapidamente seus pontos de debilidade e lhe aplicava o corretivo adequado.

Mediante extensos exercícios de auto evolução, o Ninja desenvolvia a sensibilidade nutritiva necessária para entender o estilo de vida e personalidade da pessoa com a qual iria tratar. Nos confrontos psicológicos, usando a influência terra, a resistência e o espírito combativo do adversário são debilitados ao proporcionar-lhe diversões desfrutáveis. Sob a influência da água, se conseguia que a agressividade do inimigo o torne vulnerável através de seu comportamento enlouquecido e irreflexivo. Desde o nível de influência do fogo, causa medo e vacilações a seu inimigo. Sob a influência do vento, o adversário é debilitado apelando a seus sentimentos. E sob a influência do vazio, o adversário vaidoso e ambicioso é enganado pela adulação e falsa lealdade.

Este sistema de influências que manipula os esquemas de pensamento do adversário, é considerado como uma interferência meramente temporal na consecução de objetivos mais amplos. Tanto se influi sobre um indivíduo com o propósito de derrotá-lo ou com o propósito positivo de ganhar sua colaboração.

Os resultados da alteração do comportamento são, como muito, temporais. Igual que a finta de um boxeador perde sua efetividade se não repeti-la muitas vezes, a efetividade dos truques da personalidade é perdida se o adversário ficar insensibilizado a seu impacto. Até a manipulação positiva da personalidade de outro, terá sua contribuição nas qualidades mentais do Ninja, se este as usa durante muito tempo.

A contínua adulação do ego de outra pessoa, ou a pressão contínua sobre o temperamento volátil de um indivíduo irracional, começarão a afetar o equilíbrio energético do Ninja mais forte e determinado.

Se for perseguido por um inimigo furioso, o Ninja retrocede de sua posição, até colocar-se logo atrás de seu perseguidor.

Em outras ocasiões, ao invés de afetar diretamente a personalidade ou comportamento de seu inimigo, o Ninja pode alterar sua própria maneira de afrontar qualquer situação dada.

Nos casos de auto preservação, há uma tendência a deixar que o medo nos faça acreditar em vantagens não existentes. Se o adversário nos espera escondido em uma casa às escuras, podemos crê-lo com a vantagem de poder observar-nos sem ser visto e, portanto, em condições de preparar seu ataque. Ele parece estar numa fortaleza e nós nos vemos desprotegidos.

Se um atacante nos enfrenta armado com uma faca, podemos ser presa do pânico ao reconhecer o fato de que sua arma é uma vantagem insuperável. Se não estamos familiarizados com as técnicas de combate a faca, pode fazer com que nos resignemos irrefletidamente a permanecer indefesos.

Se enfrentarmos a um assaltante de maior tamanho que o nosso, podemos ficar totalmente intimidados ante nossa pequenez. Podemos figurar-nos que um soco é tudo o que precisa para nos pôr fora de combate.

Trocando os pontos de vista, sem dúvida, obtemos uma perspectiva completamente alterada. Se nos pusermos no lugar do adversário e contemplarmos todos os pontos débeis apresentados pelo novo ponto de vista, podemos usar a tendência a ver o negativo em nossa própria vantagem. Para ver a vulnerabilidade de outra pessoa, temos que nos colocar em seu lugar.

No caso do assassino escondido na casa escura, observamos que estamos apegados ali e que existem truques para fazer-nos sair do esconderijo ou que simplesmente, podem deixar-nos ali esperando.

No caso do homem armado de faca, observamos que nossa arma fará com que o oponente conceda licença moral para extremar suas medidas com a finalidade de defender-se. Também tem uma tendência a concentrar toda a atenção na arma e esquecer a vulnerabilidade ou o uso prático do outro braço e das pernas.

A respeito do lutador de grande tamanho, observamos a facilidade que resulta para um oponente menor mover-se com rapidez e introduzir-se em nossa guarda. Também podemos ver como um homem pequeno pode usar seu baixo centro de gravidade para desequilibrar-nos ou projetar-nos.

O principal fator que separa o Ninjutsu dos outros métodos de combate é a aplicação do Kyojutsu Ten Kan Ho, ou estratégias de combate. Literalmente traduzida como o método de apresentar o falso como verdadeiro esta estratégia se aplica em todas as atividades do Ninja. Esta confiança posta na falsificação, amplia o artifício psicológico de preparar seu adversário para que pense de uma maneira e então lhe afrontar de outra.

A tática pode aplicar-se desde diversos extremos para confundir a percepção da realidade do adversário. A falsidade pode apresentar-se como verdade. Podemos aparentar força sendo que na realidade estamos debilitados, ou podemos criar a imagem de debilidade para ocultar nossa força.

De maneira oposta, a realidade pode apresentar-se de tal maneira que dê a impressão de falsidade. Podemos exagerar nossa debilidade até o ponto em que os adversários acreditem que estão sendo enganados e decidem atuar contra nós. Também podemos apresentar com claridade nossos pontos fortes de maneira que os inimigos acreditem que estamos fingindo, e nos ataquem sem preocupações e forças suficientes.

Podemos encontrar exemplos simples disto da seguinte maneira: veja um espelho e observe o aspecto que têm seu corpo quando se prepara para lançar um golpe à zona alta.

Quando está treinando com um companheiro, baixe o nível do ombro no momento em que pareça obvio que vai golpear ao nível alto e pegue às costelas ou o estômago. O golpe não começa, pára e sai de novo até o nível médio. Trata-se meramente de um golpe lançado à zona média baixa, com um movimento corporal usualmente associado a um golpe à zona alta.

À distância curta, quando os golpes de punho dão lugar aos agarramentos, agarre ao adversário e puxe ele para você. Provavelmente, seu instinto lhe fará ir para o lado oposto. Quando sentir sua puxada, troque o movimento o empurrando e desequilibrando-o dando um passo à frente.

Ao iniciar um contra-ataque, lance um golpe ao rosto do oponente. Quando elevar o antebraço para bloquear, abra o punho e golpeie com a palma no antebraço para romper o osso.

Também podemos encontrar exemplos táticos de confusão nos combates com armas brancas. Se atacar à cabeça do oponente com uma espada ou faca grande, quando ele tentar bloquear com sua espada ou barra metálica, encurte rapidamente o regresso do movimento de sua arma, cortando assim seu antebraço, ou mão.

Uma lâmina ou arma perfuro – cortante também podem camuflar-se detrás do antebraço se empunhada da maneira correta.

Em um confronto frente a um oponente armado com faca, pode assumir uma posição que sugira que é inexperiente na luta com faca. Quando o atacante relaxa a guarda, frente à vítima “inapta”, você poderá lançar-se sobre ele com suas autênticas capacidades.

Historicamente a justaposição da realidade e falsidade foi usada a princípio pelos Ninjas japoneses nas táticas de escape. Um Ninja podia jogar uma pedra pesada em um rio, e esconder-se depois entre os arbustos para induzir seus perseguidores a buscar na água. Também podia aproximar-se de um grupo de guardas e contar-lhes alguma desgraça que lhe acabava de ocorrer.

SAN RYAKU HEIHO

OS TRÊS NÍVEIS ESTRATÉGICOS

“A meticulosidade era a chave do treinamento, e os estudos especiais, táticas e estratégias, se desenvolviam até alcançar um alto nível”.

SETTENJUTSU

Mesmo que pareça incrível, o Ninja era capaz de desenvolver a habilidade de predizer o resultado do combate. Baseando-se em premonições científicas, requeria o refinamento de sua percepção em três elementos chave: Céu (ar), Terra e Homem. Setten Jutsu, ou percepção no ar, significa que o Ninja sabia tirar vantagem das condições atmosféricas, adivinhações e meteorologia.

A escola Koga faz referência a um vento cálido e seco que desce pela ladeira da montanha. A habilidade do Ninja para reconhecer esta oportunidade de provocar e estender com rapidez o fogo lhe permitia aproveitá-lo para incendiar o acampamento inimigo. A estação seca também se considerava ideal para usar fogo junto ao inimigo, conduzir-lhe a uma emboscada e dispersar suas forças.

As noites de vento eram também propícias para o labor incendiário, mesmo que fosse preciso determinar a direção do vento para que o fogo se estendesse para a zona onde estavam construídas a maior parte das edificações do acampamento.

O Ninja estudava o I Ching, ou livro das mutações, que lhe ajudava, entre outras coisas a obter vantagem das mudanças atmosféricas. Por exemplo, as noites sem lua eram a ocasião propícia para introduzir-se numa vila ou castelo inimigo. A arte da adivinhação era conhecida como O Myodo.

Também aproveitava os temporais e as noites de neve em que a visibilidade diminuía notavelmente. As noites obscuras e tempestuosas, também eram excelentes para deslizar-se no castelo inimigo ou para lançar um ataque em comando, especialmente se chovia, posto que em tais condições as sentinelas encurtariam ao máximo possível suas guardas.

Shihan Marcio J. Santos

CREFSP 08243/P SP - MENKYO JAPAN